Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2016

Porquê

Precisamos

Uma das características humanas evidentes nas redes sociais é o moralismo engajado.
A nossa timeline está cheia de receitas, fórmulas e soluções para fazer o mundo ficar melhor, para as pessoas se comportarem bem e para combater os 'ismos' e 'fobias' dos outros. Por outro lado, o próprio moralista engajado já é uma pessoa consciente o suficiente e já sabe fazer uso correto dos meios, das formas, das palavras. É do bem, só fala com coerência, respeita os animais, é contundente e preciso, e fala a verdade doa a quem doer. Porque, você sabe... são sempre os outros que precisam de conselhos...
Mas a verdade é que somos todos nós que precisamos de perdão.
Perdão oferecido, doado, gratuito. Sem ser condicionado a regras de bom comportamento ou condições moralistas(porque, neste caso, ninguém receberia). Ao alcance da mão – ou melhor, do coração. Oferecido por Quem foi moralmente perfeito para que destruir o nosso moralismo e fazer de nossas ações resultados de uma fé que crê, c…

Estupro - cultural ou individual?

O termo “cultura do estupro” mais atrapalha do que ajuda. O alerta vem da RAINN (organização nos Estados Unidos que se traduz como Rede Nacional de Assistência à Vítimas de Estupro, Abuso e Incesto). A RAINN, num documento à Casa Branca em 2004, sugere que “nos últimos anos, tem havido uma infeliz tendência em acusar a ‘cultura do estupro’ pelo extensivo problema de violência sexual”. “É importante”, diz o texto, “não perder a noção de um fato simples: estupro é causado não por fatores culturais, mas por decisões conscientes, de uma pequena porcentagem da comunidade em cometer um crime violento”. O termo foi criado pelo movimento feminista, EUA, nos anos 70, a fim de defender que o estuprador pratica a violência sexual por culpa do contexto cultural onde a mulher sempre foi desvalorizada. O assunto é polêmico quando nos últimos dias ouvimos bastante a palavra “cultura” para explicar o caso da jovem violentada por vários rapazes no Rio de Janeiro. Não há dúvida de que os costu…