Com consideração


 Ouvi uma anedota que dizia o seguinte: um homem entra num bar do interior e pede, com sotaque bem carregado: : “Porrr favorrr, eu querer um caixa de fôxforrro”. E repetiu duas ou três vezes, até que o atendente entendeu e lhe alcançou a caixa.

Depois que ele se foi, um caboclo, sentado num canto, começou a rir.
O balconista perguntou:
-Do que você está rindo?”
Ao que o homem respondeu:
num viu? Aquele homi não sabe nem falar fófri!”

Não é só ele, não. As oportunidades de rirmos de alguém, zombarmos de uma ideia, desfazemos uma opinião ou de uma pessoa acontecem com mais frequência do que o necessário.  Sem nos darmos conta de que nosso conceito, opinião e forma de falar também podem estar equivocados, precisando de um novo olhar, uma nova orientação.

Compreender e respeitar é sempre um bom começo. Não significa que não podemos contestar, argumentar ou emitir opinião. Mas significa termos mais responsabilidade em estudar e crescer. Principalmente, significa olhar para o outro como igualmente criatura de Deus, amada pro Jesus Cristo, e que pode precisar de nosso auxilio com consideração

Aliás, ainda bem que Deus não ficou sentado num canto, rindo da nossa imperfeição. Pois vergonha seria o mínimo que nos aconteceria. Felizmente, ele nos chamou para perto, pela fé. Ensinou a falarmos corretamente o Seu nome. E nos deu uma vida na qual sempre podemos continuar.

Pois, mesmo quando nossa fé estiver feito um palito, não vai deixar de queimar.



P. Lucas André Albrecht
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça